terça-feira, 14 de março de 2017

Retratos de Mulheres (extracto)



Primeiro interessou-me o seu ar espiritual,
as suas idéias, a sua percepção do mundo.
Depois notei o perfume, doce e delicado,
as marcas de baton nos copos descartáveis,
os seios que eram como pêras maduras.
E foi num debate — ela sentada, eu de pé —
sobre a existência ou não existência de Deus
— ela citando o Evangelho, eu Mersault —
que o telefone tocou e para atendê-lo
ela revelou a espantosa delícia
que eram as suas coxas grossas e rijas.
Estremeci e concluí que deus ou a alma
são coisas distantes e sem propósito.
Quero fodê-la, penso e afirmo
com toda a vulgaridade que permite a poesia.

por Daniel Francoy in Em Cidade Estranha/Retratos de Mulheres
fotografia de autor desconhecido

1 comentário:

Marta Vinhais disse...

O que se diz e o que se deixa adivinhar para que a paixão irrompa na pele...
Num fogo nunca saciado...
Numa espiral louca de prazer...
Nunca vulgar... Pelo contrário... Intensa, frenética...
Beijos e abraços
Marta