terça-feira, 31 de julho de 2018

Língua vital



do que é que o corpo fala que idioma nenhum participa?
que nem o gesto mais sutil apreende?
só o toque no toque, de fato, transmite
os mistérios profundos que nos movem as entranhas

seria o sexo a única forma de comunicação real?
capaz de transpor fronteiras entre seres
e uni-los na verdadeira língua materna
sabedoria de gaia, pacha mama, ciclo vital

idioma que todos nascemos sabendo
e por não saber da própria sabedoria
acabamos, com esforço, esquecendo

chega um dia em que tal lembrança nos falta
e buscamos nas línguas e linguagens todas
a essência perdida que nunca carregam

por Bruna Escaleira
fotografia de autor desconhecido

terça-feira, 24 de julho de 2018

Tentación


Toma mi mano un momento,
será lo mejor que hayas vivido.
Será más que sólo un recuerdo,
serán tus deseos prohibidos.

Toma tu amor y tu odio,
tu violencia, tu vigor.
Toma tu cuerpo y tu alma,
y hazlos satisfacción.

¡Pues aquí no hay amor!
Sólo se vive de la pasión, del instante.
¡Aquí no hay luz!
Sólo necesitas sentir y entregarte.

Toma tu pudor y tu abstinencia,
tu inocencia, tu virginidad.
Toma tu Dios y sus reglas
¡Abandónalas y déjalas atrás!

por Arcanvm (Alejandro)
fotografia de autor desconhecido

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Do desejo X



Pulsas como se fossem de carne as borboletas.
E o que vem a ser isso? perguntas.
Digo que assim há de começar o meu poema.
Então te queixas que nunca estou contigo
Que de improviso lanço versos ao ar
Ou falo de pinheiros escoceses, aqueles
Que apetecia a Talleyrand cuidar.
Ou ainda quando grito ou desfaleço
Advinhas sorrisos, códigos, conluios
Dizes que os devo ter nos meus avessos.
Pois pode ser.
Para pensar o Outro, eu deliro ou versejo.
Pensá-LO é gozo. Então não sabes? INCORPÓREO É O DESEJO.

por Hilda Hilst
fotografia de autor desconhecido

terça-feira, 3 de julho de 2018

Prazer



Sonhei esta noite... que a tua pele me envolvia por completo...
Senti a tua língua sofrega, intensa a vaguear pelo meu sexo...
Senti o meu corpo a relaxar, a abrir-se ao teu desejo...
Soltei um grito poderoso e pedi mais... a tua mão a brincar com o meu seio, a tua língua a entrar em mim, exigente...
O meu corpo elevou-se num arco para que me visses inteira...
Cerrei as mãos, porque o prazer entranhou-se em mim de tal maneira que fiquei dorida, exausta.
Gritei novamente e senti-te a preencher cada cantinho secreto do meu corpo...
E, depois... sorri-te...

de uma leitora anónima
fotografia de autor desconhecido

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Do desejo IX



E por que haverias de querer minha alma
Na tua cama?
Disse palavras líquidas, deleitosas, ásperas
Obscenas, porque era assim que gostávamos.
Mas não menti gozo prazer lascívia
Nem omiti que a alma está além, buscando
Aquele Outro. E te repito: por que haverias
De querer minha alma na tua cama?
Jubila-te da memória de coitos e acertos.
Ou tenta-me de novo. Obriga-me.

por Hilda Hilst
fotografia de Konstantin Lelyak

quinta-feira, 28 de junho de 2018

O apanhador no campo



Fruta e mulher no mesmo pé de caqui
no qual espantando os passarinhos eu trepo
para apanhar como um garoto a fruta
e apreciar, comendo-a lá no alto, a mulher
que ficou lá embaixo me esperando subir
e agora vejo se mexendo entre as folhas,
com seus olhos de mel, seus ombros secos,
enquanto me contorciono todo subindo
entre línguas de sol, roçar de galhos,
para alcançar e arremessar para ela,
no ponto mais extremo, o caqui mais doce.

por Leonardo Fróes
fotografia de autor desconhecido

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Do desejo VIII



Se te ausentas há paredes em mim.
Friez de ruas duras
E um desvanecimento trêmulo de avencas.
Então me amas? te pões a perguntar.
E eu repito que há paredes, friez
Há molimentos, e nem por isso há chama.
DESEJO é um Todo lustroso de carícias
Uma boca sem forma, em Caracol de Fogo.
DESEJO é uma palavra com a vivez do sangue
E outra com a ferocidade de Um só Amante.
DESEJO é Outro. Voragem que me habita.

por Hilda Hilst
fotografia de autor desconhecido

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Do desejo VII



Lembra-te que há um querer doloroso
E de fastio a que chamam de amor.
E outro de tulipas e de espelhos
Licencioso, indigno, a que chamam desejo.
Há o caminhar um descaminho, um arrastar-se
Em direção aos ventos, aos açoites
E um único extraordinário turbilhão.
Porque me queres sempre nos espelhos
Naquele descaminhar, no pó dos impossíveis
Se só me quero viva nas tuas veias?

por Hilda Hilst
fotografia de autor desconhecido

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Erótico puritano



As pontas dos meus seios apontam para o céu
inchados e duros
pequenos e brancos
reluzem e gritam
enquanto as estrelas queimam e umedecem
meus santos orifícios
com seus toques inesperados.
sou cega, muda, espasmódica.
pernas abertas por um mundo melhor.

por Niandra LaDez
fotografia de autor desconhecido

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Do desejo VI



Aquele Outro não via minha muita amplidão.
Nada LHE bastava. Nem ígneas cantigas.
E agora vã, te pareço soberba, magnífica
E fodes como quem morre a última conquista
E ardes como desejei arder de santidade.
(E há luz na tua carne e tu palpitas.)
Ah, porque me vejo vasta e inflexível
Desejando um desejo vizinhante
De uma Fome irada e obsessiva?

por Hilda Hilst
fotografia de autor desconhecido

Do desejo V



Existe a noite, e existe o breu.
Noite é o velado coração de Deus
Esse que por pudor não mais procuro.
Breu é quando tu te afastas ou dizes
Que viajas, e um sol de gelo
Petrifica-me a cara e desobriga-me
De fidelidade e de conjura. O desejo
Esse da carne, a mim não me faz medo.
Assim como me veio, também não me avassala.
Sabes por quê? Lutei com Aquele.
E dele também não fui lacaia.

por Hilda Hilst
fotografia de Igor Amelkovich

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Do desejo IV



Se eu disser que vi um pássaro
Sobre o teu sexo, deverias crer?
E se não for verdade, em nada mudará o Universo.
Se eu disser que o desejo é Eternidade
Porque o instante arde interminável
Deverias crer? E se não for verdade
Tantos o disseram que talvez possa ser.
No desejo nos vêm sofomanias, adornos
Impudência, pejo. E agora digo que há um pássaro
Voando sobre o Tejo. Por que não posso
Pontilhar de inocência e poesia
Ossos, sangue, carne, o agora
E tudo isso em nós que se fará disforme?

por Hilda Hilst
fotografia de Igor Amelkovich

terça-feira, 5 de junho de 2018

Particularmente eu prefiro quiabo cru



Há quem não goste de criança
Há quem adore ensinar
Há quem os olhos não levante
E há quem garanta só olhar

Há quem procure o ponto G
Há quem pule na hora H
Há quem não goste se doer
Mas há quem vá se viciar

Há quem abafe o prazer
Há quem se permita um palavrão
Há quem não exija que haja amor
E há quem se negue à precisão
Há quem não esqueça o vinho branco
Há quem vá de leite condensado
Há quem seja atento sempre e tanto
Mas há quem grite o nome errado

Há quem pra isso não tenha gula
Há quem engula só de ver
Há quem não perca uma parada
E há quem nem saiba o que fazer
Há quem não dispense um inferninho
Há quem já aderiu a um tal à-trois
Há quem não goste de tal gosto
Mas há quem ande louco pra gostar

Cada um tem sua tara
Não me venha dizer que não
Assuma a sua e meta a cara
Pois quem não tem, tem precisão
Alimente-a com carinho
Não deixe nada lhe faltar
Vergonha é que é proibido
Mais esquisito é não gozar

por Ricardo Kelmer
fotografia de autor desconhecido

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Do desejo III



Colada à tua boca a minha desordem.
O meu vasto querer.
O incompossível se fazendo ordem.
Colada à tua boca, mas descomedida
Árdua
Construtor de ilusões examino-te sôfrega
Como se fosses morrer colado à minha boca.
Como se fosse nascer
E tu fosses o dia magnânimo
Eu te sorvo extremada à luz do amanhecer.

por Hilda Hilst
fotografia de autor desconhecido

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Do desejo II



Ver-te. Tocar-te. Que fulgor de máscaras.
Que desenhos e rictus na tua cara
Como os frisos veementes dos tapetes antigos.
Que sombrio te tornas se repito
O sinuoso caminho que persigo: um desejo
Sem dono, um adorar-te vívido mas livre.
E que escura me faço se abocanhas de mim
Palavras e resíduos. Me vêm fomes
Agonias de grandes espessuras, embaçadas luas
Facas, tempestade. Ver-te. Tocar-te.
Cordura.
Crueldade

por Hilda Hilst
fotografia de autor desconhecido

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Do desejo I



Porque há desejo em mim, é tudo cintilância.
Antes, o cotidiano era um pensar alturas
Buscando Aquele Outro decantado
Surdo à minha humana ladradura.
Visgo e suor, pois nunca se faziam.
Hoje, de carne e osso, laborioso, lascivo
Tomas-me o corpo. E que descanso me dás
Depois das lidas. Sonhei penhascos
Quando havia o jardim aqui ao lado.
Pensei subidas onde não havia rastros.
Extasiada, fodo contigo
Ao invés de ganir diante do Nada.

por Hilda Hilst
fotografia de Ruslan Lobanov

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Mademoiselle Furta-Cor (Poema 3)



Eu avanço, te abocanho,
a cama range, o corpo ruge
            vermelho!
vivo num relance as nuances
de um arco-íris de tafetá
ferido no espaço do instante
de seu veloz delírio:

e caço o seu rosto em cada cor

            em cada gama

a cada gomo que esmago e engulo
eu te provo, e bebo

            as gotas do seu gosto

e mastigo o teu sabor
calcando sob mim
o gesto escancarado
do seu sangue sem som,
mas que, entretanto, em entretons

            grita.

por Armando Freitas Filho
fotografia de autor desconhecido

terça-feira, 15 de maio de 2018

Mademoiselle Furta-Cor (Poema 2)



Por esta fresta te espreito
Por esta fenda te desvendo

Por esta fresta
            cravo
sonda contra esponja,
e babo
            e te penetro
teso e reto, e por inteiro
o seu corpo se entreabre:
porta e perna, caixa e coxa.

Por esta fenda
            tenda
de pele que se franze,
e rasga
            eu me adentro
feito de espera e de esperma:
e espremo — te aperto — e exprimo
toda a cor da carne do amor que escrevo.

Por esta fresta me espreito
Por esta fenda me desvendo.

por Armando Freitas Filho
fotografia de Josef Breitenbach

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Dans mes rêves



J'aimerais bien voir votre...
Madame,
S’il vous plaît,
Je suis quasiment convain...
Madame, qu’il me plaît.

Et si vous êtes à demi-nue
Pourquoi pas
J’aimerais
Avoir un petit aperçu
De vos seins et après...

Glisser ma main sous les tissus
Les dessous
Les effets
Et me réjouir bien entendu
De l’effet qu’elle vous fait.

Puis après cette douce entrevue,
Madame
J'aimerais
Goûter à ce fruit défendu
D'où je viens où je vais.

par Jipébé
photographie de Ruslan Lobanov

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Mademoiselle Furta-Cor (Poema 1)



Eu conheço o seu começo:
        ponto e novelo,
meada de mel e langor
        de lentos elos
que a minha língua lambe
        no calor despido,
no meio das suas pernas:
        anéis de cabelos,
anelos e nós se desmancham
        em nada ou nódoa
por todo o lençol do corpo
        nu e amarrotado:
nós aqui somos todos laços
        e nos rasgamos
devagar — poro por poro;
        rumor de sedas
ou de uma pele toda feita
        de suor e suspiro:
eu soluço a cada susto seu
        que nos dissolve.

por Armando Freitas Filho
fotografia de autor desconhecido

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Iniciação amorosa



A rede entre duas mangueiras
balançava no mundo profundo.
O dia era quente, sem vento.
O sol lá em cima,
as folhas no meio,
o dia era quente.
E como eu não tinha nada que fazer vivia
namorando as pernas morenas da lavadeira.

Um dia ela veio para a rede,
se enroscou nos meus braços,
me deu um abraço,
me deu as maminhas
que eram só minhas. A rede virou,
o mundo afundou.

Depois fui para a cama
febre 40 graus febre.
Uma lavadeira imensa, com duas tetas
imensas, girava no espaço verde.

por Carlos Drummond de Andrade
fotografia de Bunny Yeager

Um pedido de desculpas

Peço desculpa às minhas leitoras por este longo interregno.
Afazeres profissionais mantiveram-me afastado do vosso contacto.
Espero poder compensar-vos durante as próximas semanas.

Um beijo
Pedro M.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

A pele e o vento



A todas as minhas leitoras, com os meus votos de um Ano de 2018 cheio de prazer!!

Um beijo
Pedro M.


A pele e o vento
Quando a madrugada vem
e o Vento sopra
a pele em poesia desabrocha
dizendo nua os versos de
arrepios.

E se o Vento sopra sussurrante
como uma brisa morna estremecendo
os pêlos
a Pele, que é poesia,
mergulha em desvarios
e canta para a lua seus versos
de delírios
e espera suplicante o toque
redentor.

(até que o vento, em sopros
de amor
se deita sobre a Pele
e suas mãos segura.)

então a Pele, agora em loucura
sente os cabelos longos do Vento
lhe fazerem cócegas; ouve os
sussurros do Vento em suas costas
sente sobre si o peso do desejo

e cândida, rende-se;
lânguida, deita-se;
ávida, molha-se;

sente nas costas o peso
do Vento
e treme;
agita-se;
inunda-se;
e sonha;

tem dentro de si o corpo
do Vento
e tranca-se;
e move-se;
e geme;
e goza
(grávida, imensa, grata, plena);

quando a madrugada vem
e o Vento sopra
a Pele em poesia desabrocha
e a vida inteira fica
diferente.

por Nálu Nogueira
fotografia de Oleksiy Maksymenko