domingo, 21 de março de 2010

O meu desejo


A tua mão continua
pousada na curva
do meu ventre.

A palma da minha
toca-a levemente.

Confortável,
puxo-a
até tocares no
meu sexo.

Sinto-a a abrir-se,
pressiono-a
gentilmente.

Sinto-a a deslizar
ainda mais,
a procurar-me,
a encontrar
a minha vontade.

Todo o meu corpo se contrai,
quando a tua língua
me deseja
também.

“Não, não vou gritar”
o meu último pensamento
coerente,
antes de gritar
bem alto.

Escrito e dedicado por uma leitora
fotografia de autor desconhecido

6 comentários:

Marta disse...

O que dizer quando se deseja tudo???
E para quê ser coerente???
Gostei muito...
Beijos e abraços
Marta

duda disse...

adoro que me provoquem o grito
grito que sai direto da alma
e que nem a boca pode calar

Stargazer disse...

Mas que dedicação dessa leitora!

Interessante o teu blog.

Ao mesmo vintage...Santé!

Pedro M disse...

mmm Marta...

e quem consegue ser coerente, quando o desejo o invade?

Beijo

Pedro M disse...

Minha querida Duda...

grito que nos arrepia e delicia :-)
e que apenas aboca pode abafar, num beijo húmido e profundo.

Um beijo

Pedro M disse...

Minha querida Star,

eu diria: uma leitora deliciosa :-)

Um beijo, espero tornar a vê-la por aqui, muitas vezes!!