sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Vertigem


Quando sob o meu
está o teu corpo
e eu nado dentro
do desejo e enlaço

os teus ombros as ancas
e o dorso
enquanto o espasmo se faz
num outro abraço

Desprendo a boca
depois
no grito solto

mordo-te os pulsos
ambos
no orgasmo

volto ao de cima
da água
do meu gosto

Bebo-te a vertigem
e em seguida o hálito.


por Maria Teresa Horta
fotografia de autor desconhecido

8 comentários:

Marta Vinhais disse...

E continua-se enlaçado noutro abraço...pele suada, respiração ofegante....
Numa vertigem....
Bom fim de semana...
Beijos e abraços
Marta

Pedro M disse...

Minha Marta

Embebedemo-nos na vertigem do prazer.

Um beijo

O Sussurrar do Corpo disse...

um sussurro...

Pedro M disse...

Minha querida,

para si, um beijo sussurrado na vertigem do prazer :-)

Camille disse...

Tereza Horta é uma das mais fabulosas poetisas (poetas) que conheço!
Excelente escolha.

Seraphyta disse...

Há por aqui poesia...Gosto!!

Vou voltar muitas vezes :)

Pedro M disse...

Minha querida Camille

Em cada poema de Teresa Horta redescubro o frémito do do desejo.

Um beijo

Pedro M disse...

Minha querida Seraphyta

Estarei aqui, à sua espera, para lhe ler um poema de cada vez que me visitar.

Um beijo