sexta-feira, 29 de março de 2013

Mulher andando nua pela casa


Mulher andando nua pela casa
envolve a gente de tamanha paz.
Não é nudez datada, provocante.
É um andar vestida de nudez,
inocência de irmã e copo d'água.

O corpo nem sequer é percebido
pelo ritmo que o leva.
Transitam curvas em estado de pureza,
dando este nome à vida: castidade.

Pêlos que fascinavam não perturbam.
Seios, nádegas (tácito armistício)
repousam de guerra. Também eu repouso.


por Carlos Drummond de Andrade
fotografia de autor desconhecido

4 comentários:

Doce Anaiis disse...

Uma simples nudez.

Raquel Silva disse...

gostei :)

Pedro M disse...

Minha Doce Anaiis

Um corpo nu que me seduziu,
um corpo nu que esvoaça,
que comigo esbarra no corredor,
uma boca que ri,
um toque que não perturba
mas descontrai...

Um beijo

Pedro M disse...

Minha querida Raquel

fica o convite para que retornes,
para que outros poemas seduzam,
para que outras sensações te envolvam

um beijo