sexta-feira, 15 de maio de 2009

Contracções


Abre e fecha
flechas de desejos
flashs instantâneos
quando penso em ti...
Pulsa o pulso
pulsa a flor que arde
curtas contracções
longos arrepios...
Abre e fecha
sangue bombeando
vida latejando
rega esse navio...
Pulsam bicos
seios bolinados
duros, retesados
querendo implodir...
Flor-de-cheiro
doce à la pom-pom
molha tua boca
sente quanto é bom...
Abre e fecha
pulsa e repuxa
flor-da-contracção
arde de tesão
abre minhas coxas
rompe tuas forças
seca minhas poças
e deglutes
todas as flores roxas
que um dia
desabrochaste...

por Isabel Machado
fotografia de autor desconhecido

6 comentários:

Fragmentos Intemporais disse...

Sabe-me sempre tão bem aqui regressar!

Deixo-lhe um afecto, um sorriso maléfico, um pedaço de mim!

Ana disse...

Que inspirador o poema!
Que vontade de o tornar prático.
De sentir o quanto é sensual esse "abre e fecha", esse encontro perfeito dos corpos!
Uhm... quanta humidade...
Um beijo Pedro M

Marta disse...

E, na tua pele suada, as minhas mãos demoram-se...
Desejosas de sentir essas curtas contracções.......
Beijos e abraços
Marta

Pedro M disse...

Ohhh minha querida F/I...

mas regresse! E fique! É sempre tão agradável a sua companhia...

Um beijo

Pedro M disse...

mmm minha querida Ana...

que vontade, que desejo de me afogar na tua humidade...
que vontade, que desejo de me fechar em tuas coxas...
que vontade, que desejo de provar esse doce à la pom-pom...

Um beijo

Pedro M disse...

Ohhh minha querida Marta...

deixa ficar as tuas mãos... assim... apertadas...

Um beijo