quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Sinto em meu corpo


Sinto em meu corpo
sua língua.
Que me arde
Como se fosse
um chicote
de
fogo.

E mesmo que
eu não queira
me induz
a jogar
o seu
jogo.

Me entorpece
os sentidos,
abafa-me
os gemidos
até provocar
o meu
gozo.

Que poder
é esse?
Que sedução
devassa,
é essa
que sinto
sempre
que você
me abraça?

Só de lhe ver
me arrepia
a pele, em
choques
térmicos.
E me rendo
pacífica
aos seus
desejos
hipotéticos.

Me excita e
me choca
a sua ousadia.
Mas sempre
mais e mais,
como num
crescendo,
embarco
na sua
fantasia.

E quando
entregue
aos nossos
devaneios
sentindo
em meu
corpo
os seus
meneios,
nada mais
importa.

Abrimos do desejo
as portas,
simplesmente
porque
você é
meu homem
e eu...
sou sua
mulher...

por Asta Vonzodas
fotografia de autor desconhecido

4 comentários:

mari disse...

Um poema lindo! Mas que tal para a próxima um que mostre a perspectiva de um homem, a tua visão! Porquê a escolha desta foto? Preferes anal? Bj

Pedro M disse...

Minha querida Mari,

Vou tentar responder a todas as tuas questões/sugestões uma a uma

Quanto aos autores/autoras dos poemas: de facto só agora me apercebi de que, desde Novembro passado, todas as minhas escolhas recaíram em poetisas. Prometo que a próxima entrada terá um poema escrito por um homem.

Quanto à foto: as fotos escolho-as por de alguma forma as sentir ligadas às palavras. Este poema fala-nos da fantasia de um homem, da "sedução devassa" com que atrai a autora, do arrepio que lhe provoca, de como ela se rende aos seus desejos, de como a excita e a choca, de como ela embarca na sua fantasia, de como abre do desejo as portas. O poema sugeria a transgressão. Como o sexo anal é ainda um tabú na nossa sociedade penso que a foto está bem escolhida. Apenas um senão: é, em minha opinião, demasiado explícita, mas como não tinha outra…

Quanto às minhas preferências: quando duas pessoas partilham os seus corpos o que acontece é sempre resultante de um acordo mútuo constantemente renovado. Tudo é permitido quando consentido e desejado. A busca não é a do prazer próprio mas a do prazer dos dois. Nestas condições dificilmente tenho preferências :-) Reparaste que tenho apenas uma ou duas fotografias de sexo anal em mais de 200 fotografias?

Um beijo

Marta disse...

Isto é o que se chama um poema "quente"...
Choca e excita ao mesmo tempo...com o desejo bem à flor da pele..
Gostei muito....
Beijos e abraços
Marta

Pedro M disse...

mmm Marta...

o desejo da transfressão... do quebrar das regras... do sentir tudo!

Um beijo