sábado, 16 de janeiro de 2010

Ritual


Eras um ritual do louco cru,
na crueldade de apenas ser
nem eras, e eras tão, tão tu,
que nós lambíamos a morder
poentes, um corpo a corpo a nu;
Gritei, já nem sei escrever,
mata-me que já nem sei morrer:
quando entras, nada quer sair
quando sais, tudo quer dormir;
só sou parto quando a doer,
trespassa-me, sê fálico,
tudo em mim quer-te sofrer,
quero o profanar trágico,
a testa no meu baixo-ventre,
esse gozo dorido do prazer,
entre-pernas que o centre,
e o âmago que o consente
o dê à página que o lamente,
o dê à pena que o invente...

por Joana Well
fotografia de Sergey Prokhorov

2 comentários:

MalucaResponsavel disse...

tão intenso. palavras tão fortes. bj

Pedro M disse...

Minha querida Maluquinha,

faz-nos sentir um arrepio, não é?...

Beijinho